fbpx
AnálisesNintendoPCPlayStationStadiaXbox

Scott Pilgrim vs. The World: The Game – Complete Edition – Aquele Beat n’ Up famoso! | Análise

Jogo havia sido retirado das lojas em 2014 por motivos de direitos autorais.

Analisado no PlayStation 4 Pro


Scott Pilgrim vs. The World: The Game – Complete Edition é o relançamento do jogo beat n’up baseado na obra de Bryan Lee O’malley, lançado originalmente em 2010 para PS3 e Xbox 360. Essa edição completa do game foi lançada no dia 14 de janeiro de 2021 para Nintendo Switch, PS4, Xbox One e PC, além de funcionar nos novos consoles pela retrocompatibilidade.

Acredito que a história de Scott Pilgrim seja de conhecimento comum, mas para aqueles que estiveram presos em cavernas por incontáveis anos, a obra de O’malley trata da paixão entre Scott e Ramona Flowers, mas com um detalhe bastante incomum, Scott precisa se livrar dos antigos ex-namorados de moça, e isso não é uma tarefa nada fácil, em nenhuma das situações em que essa história já foi contada, seja nas originais HQs, no filme de 2010 e claro, neste jogo.

Scott Pilgrim vs. The World: The Game - Complete Edition

Como falei de começo, Scott Pilgrim vs. The World: The Game – Complete Edition é um jogo de beat n’ up, então prepare-se para muita briga de rua, é possível jogar com quatro amigos, seja de forma local ou online, cada jogador escolhe um personagem entre Scott Pilgrim, Ramona Flowers, Stephen Stills e Kim Pine, além de Knives Chau e Wallace Wells que estavam disponíveis por DLC e agora estão integrados ao jogo, cada um tem habilidade e golpes únicos, que os diferenciam.

Já de inicio você nota que o game tem uns diferenciais com outros jogos de beat n’ up, ainda mais no seu ano de lançamento, Scott Pilgrim vs. The World: The Game – Complete Edition começa com um mapa do mundo ao melhor estilo de Super Mario Wolrd, dali é possível escolher os níveis  a serem superados, inicialmente sempre numa sequência, mas é possível revisitar eles depois, outro ponto interessante é a possibilidade de os personagens subirem de nível, fazendo com que eles aprendam novos movimentos e por fim mas não menos importante, os inimigos liberam dinheiro conforme são derrotados, dessa forma o montante arrecadado pode ser usado nos shoppings espalhados pelo estágio, eles são bem variados e vendem desde comidas temáticas, como hot-dogs, batatas fritas, sushis, nachos, tacos entre muitos outros itens que podem ser comprados em lojas variadas.

Esses itens tem funcionalidades diversas que vão desde recuperar a vida do personagem até fazer com que ele suba de nível, aumente o indicador de golpe especial e coisas do tipo.

Scott Pilgrim vs. The World: The Game - Complete Edition

Como um bom jogo do estilo a jogabilidade é bem comum entre os que já jogaram algum Final Fight ou Streets of Rage, rolagem lateral e muita pancadaria pra todo lado, assim como em outros jogos do gênero você pode coletar itens pelo cenário que podem ser usados de arma para desferir golpes ou arremessar contra os inimigos, além disso, pequenos desafios no melhor estilo Final Fight podem aparecer, seja o destruir uma estátua que está impedindo a passagem ou de um carro cinematográfico prestes a explodir. A jogabilidade tem alguns pontos que podem irritar os jogadores mais assíduos em beat n’ ups, pra começar o comando de corrida é um pouco irritante, são dois toques rápidos pra frente e o personagem dispara correr, mas ele perde ritmo muito fácil, além disso, as caixas de colisão com os personagens parecem meio imprecisas em algumas situações, mesmo na dificuldade mais baixa o jogo se provou muito punitivo se for jogado sozinho, a melhor forma de superar isso é voltar em estágios iniciais e ficar uppando seu personagem, no melhor estilo RPG.

Essa versão completa, o pacote trás os já citados personagens que originalmente eram DLC, mas ela ainda incluiu novos modos de jogo, sendo Horda Zumbi, Boss Rush, Queimada e Battle Royale, cada modo oferece um jeito distinto de jogar.

Scott Pilgrim vs. The World: The Game - Complete Edition

Agora se tem uma coisa que Scott Pilgrim vs. The World: The Game – Complete Edition brilha e muito é em sua apresentação e na parte sonora, de verdade, a pixel art desse jogo resistiu ao tempo de forma incrível, tudo é bonito, a animação é muito bem feita, pancadaria solta rolando e tudo é “vivo”, se mexendo, não existe suporte aos consoles aprimorados, mas de verdade, não faz muita diferença. A parte sonora conta com a maravilhosa trilha feita pela banda nova-iorquina Anamaguchi, ela mistura indie rock com chiptune e combina perfeitamente com a proposta do game, afinal, Scott Pilgrim é o baixista da banda “Sex Bob-Omb” junto com outros personagens do game – da série como um todo. Um ponto que vale destacar é de que a Ubisoft não localizou absolutamente nada no game, sendo assim não espere texto algum em Português.

Pois bem, Scott Pilgrim vs. The World: The Game – Complete Edition é um jogo muito bom, mas já não impacta tanto como quando foi lançado originalmente, sim o game continua lindo, divertido, mas nada que outros títulos também já não fizeram nesses 10 anos que se passaram entre seu lançamento original e esta nova versão, por melhor que todo o conjunto do game seja, a jogabilidade dele não envelheceu tão bem assim, depois de um lançamento primoroso como foi o Streets of Rage 4 no ano passado, a impressão de que fica é que de fato você está jogando um game com mais de 10 anos de idade, sendo assim, tenha em mente que ao jogá-lo você vai precisar se acostumar com a jogabilidade um pouco estranha para os padrões atuais, mas veja pelo lado bom, com o preço pedido nas principais plataformas é justo e este é um jogo que vale muito a pena ter em sua coleção, afinal nunca se sabe se (quando) ele vai sumir das lojas novamente.

Confira o vídeo de gameplay de Scott Pilgrim vs. The World: The Game – Complete Edition:

Scott Pilgrim vs. The World The Game - Complete Edition

7.5

Nota

7.5/10

Positivos

  • A pixel art se manteve muito bem
  • A trilha sonora é ótima
  • O tema combina bem com o jogo
  • Vem completo, com as DLCs
  • O preço

Negativos

  • A jogabilidade sente o peso da idade
  • Jogar sozinho é dificil
  • Permaneceu todo em inglês

Saulo Fernandes

Publicitário de formação, editor da Gamers & Games desde 2015. Gosto de jogos de exploração, aventura e corrida, comecei a jogar no Master System, mas o meu console queridinho até hoje é o GameCube.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo