fbpx
AnálisesNintendoPCPlayStationStadiaXbox

Unto the End – Um teste de sobrevivência muito desafiador | Análise

Unto the End é um excelente jogo de plataforma para alguém que gosta de muito desafio, os pequenos erros do jogo podem passar despercebidos e o jogador pode fazer um bom proveito do game.

Analisado no PlayStation 4


Unto The End é um jogo 2D de ação-aventura bastante desafiador que foi desenvolvido pela 2 Ton Studios e Kittehface Software, sendo lançado em 9 de dezembro de 2020 para Nintendo Switch, PlayStation 4, Google Stadia, PC e Xbox One. O jogo encontra-se totalmente legendado em Português do Brasil.

História

Em Unto the End o jogador é um sobrevivente com uma bela barba e cabelo ruivo que tenta a todo custo sobreviver enfrentando monstros, armadilhas, penhascos e muito mais. A história retrata uma jornada para voltar ao lar com lutas de espada, oportunidades para usar seus artefatos e trocar suprimentos em uma aventura narrada através de suas ações. O jogo é bem raso, mostra apenas algumas mensagens no início, apesar de ter um tutorial um pouco mais tradicional em forma de lembranças, mas no geral os desenvolvedores querem que você entenda Unto the End através da observação. Isso vale para a exploração do mundo, passa pelo combate e é importante também para a própria narrativa do jogo. Unto the End não tem diálogo e isso faz com que a história seja contada em um contexto geral, bem simples, e a partir daí o jogador está por conta própria para desenhar a sua própria narrativa. Podemos observar que o jogo inicia com o seu personagem saindo para uma caçada solitária, uma mulher e um menino se aproximam e te entregam itens que serão úteis na sua jornada. A despedida deles é bem simples, apenas um aceno e um último olhar para trás. A partir daí prepare-se, o mundo fora dos limites do seu lar é um lugar repleto de perigos, armadilhas e violência.

Jogabilidade

Logo de cara o jogo te deixa confuso e você não sabe se o jogo já iniciou ou se ainda está carregando. Aí vai um dica… APERTE O X. O jogo não tem muita introdução e você pode acabar se enganando e achando que irá ler ou ouvir um diálogo quando aparecem os personagens na tela, mas… o jogo só está esperando você apertar um botão e dar continuidade no game. A jogabilidade de início é bem confusa e você fica perdido, não tem nenhuma orientação na tela e o jogador pode ficar perdido. Realmente demora em torno de uns 5 minutos para o jogo te dar alguns tutoriais. Em Unto the End você terá combates difíceis que requerem muita paciência para enfrentar os inimigos, os comandos padrão são bem complicados, mas você pode acessar o menu do jogo e treinar o combate a qualquer momento.

Uma dica que eu dou é para sempre usar a tocha e NUNCA deixá-la para trás. Comigo aconteceu algo bem engraçado, eu acabei caindo em um buraco na caverna sem a tocha e quem disse que eu conseguia enxergar alguma coisa? Pois é, tive que reiniciar o game e dar continuidade na jornada.

Como foi dito, em Unto the End o jogador enfrenta muitas armadilhas, e elas não são tão simples não. Sem qualquer previsão de ataque as armadilhas surgem de diversas formas e não tem nenhum alerta para te deixar atento de que está se metendo em um lugar perigoso, por isso tome muito cuidado e ande devagar pelo cenário para não ser surpreendido.

Se um inimigo atacar por cima você precisa defender o golpe com um bloqueio alto ou se abaixar, por outro lado, se ele golpeia abaixo da linha de cintura é possível pular ou se defender com o bloqueio baixo. Cada tipo de inimigo tem uma barra de postura invisível e após um determinado número de golpes bloqueados em sequência (entre 3 e 4) eles ficam momentaneamente atordoados e abertos a um contra-ataque mais poderoso que causa mais dano. Para jogar você precisa ser bem estratégico para que consiga observar o movimento dos inimigos e ter reação rápida o suficiente para responder a altura, e com certeza, esmagar botão a esmo só vai te frustrar. Os inimigos com armadura são mais inteligentes e difíceis de derrotar.

Uma observação que faço sobre os recursos que você coleta durante a jornada é que eles são bem difíceis de serem notados no cenários, na minha opinião isso foi um erro bem grave e tenho certeza que poderiam ter feito algo melhor. Claro, depois de um tempo você se acostuma e consegue detecta-los mas no início é bem complicado.

Gráficos

Unto the End conta com gráficos bem simples para um jogo de 2D com uma qualidade baixa em detalhes , mas isso não é nada demais. Os cenários do game são bem planejados trazendo uma atmosfera bem realista para o jogador. Tome bastante cuidado ao andar pelo cenários para não acabar perdendo algum recurso, isso por que os cenários acabam escondendo alguns acessos que são bem difíceis de serem visto e podem passar despercebidos pelo jogador que fica sem rumo com vários caminhos que o cenário te disponibiliza.

Efeitos e Trilha Sonora

Os efeitos sonoros do jogo são ótimos para um jogo de plataforma, mas em relação a trilha sonora ela acaba passando despercebida, ela consegue casar bem com o jogo, mas as vezes acaba sendo deixada de lado com a constante respiração do personagem que parece estar ofegante a todo instante. Creio que os desenvolvedores acharam que isso iria aproximar o jogador do personagem deixando o game “mais realista”.

Conclusão

Unto the End é um excelente jogo de plataforma para alguém que gosta de muito desafio, os pequenos erros do jogo podem passar despercebidos e o jogador pode fazer um bom proveito do game. Se você é daqueles que não quer uma história jogada de bandeja em cima de você e quer desbravar um lugar repleto de perigos sem ser alertado, esse jogo é para você.

Unto the End

8.5

Nota

8.5/10

Positivos

  • História
  • Jogabilidade
  • Efeitos Sonoros
  • Cenários

Negativos

  • Recursos
  • Sem diálogos
  • Gráficos
  • Trilha Sonora

Matheus Araújo

Editor da Gamers & Games, podcaster, cinéfilo, seriéfilo, gosto de jogos de FPS e aguardo uma sequência de Black.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo