AnálisesNintendoPCPlayStationXbox

Golf Club Wasteland – Quando o mini-golf atinge o nível interplanetário | Análise

Um planeta Terra todo desolado é um bom campo de mini-golf

Analisado no PlayStation 4 Pro


Golf Club Wasteland é um jogo de plataforma com jogabilidade de mini-golf, produzido pelo Demagog Studios e publicado pela Untold Tales. O jogo foi lançado dia 03 de setembro de 2021 e tem versões para todos os consoles e PC pela Steam e Epic Games Store.

Golf Club Wasteland

No jogo a humanidade conseguiu finalmente receber o seu fatídico final, a destruição completa da possibilidade de sobrevivência humana no planeta Terra, mas isso não impediu que os super ricos criassem uma colônia no nosso tão visado vizinho, o planeta vermelho, dessa forma eles fugiram de um planeta decadente deixando para trás o que restou da natureza, da civilização e claro, a população que não tinha condições de se salvar.

Golf Club Wasteland se passa nesse ambiente, você joga como Charlie, o herói do jogo que volta ao planeta para aproveitar o sossego e jogar um pouco de mini-golf nas mais variadas situações e cenários.

Golf Club Wasteland

O jogo conta com três modos de jogo, o Modo História é o mais simples e descompromissado, digamos assim, você tem um início e o buraco para acertar ao final do estágio, tudo que acontece até lá depende da sua habilidade e claro, um pouco de sorte, depois de um número de tacadas o jogo permite que você pule esse nível caso esteja com muitas dificuldades, mas ao contrário, se você acertar o buraco em poucos lances ele libera informações no diário de Charlie, diário esse que vai contando mais e mais da história do jogo. O segundo modo é o Desafio, como o nome diz, você tem certos desafios para cumprir e dessa forma superar o nível e por fim o terceiro modo chamado Iron praticamente não permite erros, indicado apenas aos jogadores mais habilidosos, e também porque ele fica desabilitado até que você termine o modo desafio, então…

Golf Club Wasteland

A jogabilidade é bem simples, você usa o analógico para controlar o ângulo e a intensidade da tacada, feito isso e só ver o resultado, lembrando que o jogo usa a física para controlar a bola, com isso, elementos no cenário podem atrapalhar ou interferir no decorrer do game, campos de areia, vento e animais alteram o curso do disparo ou então sua potência, já água é fim da tacada, perca de bola, logo outra bolinha vai aparecer e você deve tentar novamente, o analógico direito permite navegação pelo cenário e os botões de ombro do controle dão mais ou menos zoom no mapa. No inicio tudo é bem fácil e rápido, mas conforme os cenários vão passando eles vão ficando maiores e muito mais desafiadores, canos podem direcionar sua bola para uma área boa ou ruim, cenários como áreas abertas tem animais que vão roubar a bolinha, outras mais contidas será necessário achar o caminho por entre portas automáticas com defeito, quebrar algumas janelas aqui ou ali, ativar um elevador que sirva como atalho ou ainda ligar um soprador de folhas revelando o buraco a ser atingido.

Golf Club Wasteland

Posso dizer que Golf Club Wasteland está apoiado em três pilares, o primeiro acabei de descrever, é sua jogabilidade simples e fácil de pegar por qualquer jogador, os outros dois estão em seu visual e sua parte sonora. O game tem um visual lindo, ao mesmo tempo que parece tudo bastante plano e vazio, existem diversos detalhes que chamam atenção, construções em primeiro plano, guindastes que se destacam, muitos neons tanto no plano de fundo como no primeiro plano, tudo isso junto com objetos de um mundo devastado e com a natureza tomando conta do espaço novamente.

Já a parte sonora do game merece atenção especial, para começar o título indica que o jogador use fones de ouvido, e sim, eu também recomendo, primeiro o controle da tacada usa sons como uma espécie de tensão sendo aplicada em algo que está sendo esticado, esse som que vai ficando mais forte e intenso conforme o jogador aplica mais força, esse é um bom indicativo de força, o segundo ponto é de que por todo o game a Rádio Nostalgia de Marte vai estar transmitindo com histórias de ex moradores da Terra contando suas histórias nostálgicas e fatos que os levaram até Marte, esse conteúdo é intercalado com o narrador, vinhetas em diversas línguas e uma trilha sonora muito boa e variada, também em várias línguas.

Golf Club Wasteland

A rádio tem dois pontos, um bom e um ruim, por exemplo, Golf Club Wasteland é por natureza um jogo um tanto quando relaxante, no geral as músicas tocadas pela rádio combinam muito bem com essa proposta, variando um pouco o tom e a intensidade das músicas conforme os cenários passam, o problema são as histórias, em muitos momentos o jogador precisa fazer movimentos muito precisos e calculados e o falatório pode atrapalhar por um momento, sim eu sei que boa parte da história e contada por ai e algumas dessas histórias são bem legais e interessantes de ouvir e/ou ler (o jogo está com todo texto em português do Brasil), mas acredito que poderia haver uma opção de desativar os depoimentos na rádio e deixar apenas a programação de músicas e vinhetas rolando, o gameplay seria bem mais tranquilo e suave.

No geral, Golf Club Wasteland faz muitas coisas certas, é um jogo gostoso de jogar, ele mais diverte do que irrita, sim você vai errar bastante, mas vez ou outra uma tacada certeira vai fazer você abrir um sorrisão de satisfação, o jogo tem bom controle, boa ambientação, história e trilha sonora, com isso digo que o jogo vale muito a pena pelo preço cobrado, além de que, todas as cópias do jogo vêm com uma HQ digital de 55 páginas e a trilha sonora do game!

Confira neste vídeo de gameplay 1 Hora de Golf Club Wasteland:

Golf Club Wasteland

8.5

Nota

8.5/10

Positivos

  • Jogabilidade
  • O visual
  • A trilha sonora
  • É relaxante

Negativos

  • Não tem como desligar os depoimentos do rádio
  • Depois de iniciar um jogo não tem opção de mudar o modo

Saulo Fernandes

Publicitário de formação, editor da Gamers & Games desde 2015. Gosto de jogos de exploração, aventura e corrida, comecei a jogar no Master System, mas o meu console queridinho até hoje é o GameCube.
Botão Voltar ao topo