AnálisesNintendoPCPlayStationXbox

Tails of Iron – Um verdadeiro adventure com um combate primoroso | Análise

Tails of Iron se encaixaria no modelo de um soulslite pelo motivo que ele assim como o famoso título da From Software exige do jogador um pouco de paciência e autocontrole na batalha

Analisado no Xbox Series X


Tails of Iron é um jogo de aventura com mesclas de RPG e combate soulslite, foi desenvolvido pelo estúdio Odd Bug e publicado pela United Label Games, lançado em 17 de setembro de 2021 para os consoles Xbox, PlayStation e Nintendo Switch, com versão de PC disponível na Steam.

Tails of Iron
Tudo começa com a disputa pelo trono onde Redgi precisa provar que é digno

Por anos inúmeras batalhas entre os reinos dos ratos e dos sapos foram travadas, até que um dia, o rei Rattus conseguiu pôr fim a essa guerra, unificou os reinos dos ratos criando um grande reino onde a paz foi presente por muitos anos, toda essa calmaria fez com que o reino dos sapos se organizassem e assim que Redgi, o menor dos filhos herdeiro ao trono conquista a coroa em uma batalha contra um de seus irmãos, os sapos atacam, matam o rei e todos os presentes, começa ai nossa aventura no controle do novo rei, que está sem reino, sem coroa e sem pai, na luta contra os sapos e todas as demais ameaças que acometem o reinado.

No comando do pequeno Redgi começa nossa jornada, pouco antes dos eventos descritos acima o game aplica um útil tutorial de combate, que é feito como desculpa para preparação do jovem rato para a disputa pelo trono, dessa forma após o evento fatídico já estamos completamente prontos para sair na jornada. O controle de Redgi é bastante preciso e completo, temos o pulo, a esquiva dupla, sendo a primeira apenas um dash e a segunda ele rolando pelo chão, ataque básico com a espada, escudo para defesa e outros mais são adicionados ao longo da jornada.

Tails of Iron
O cozinheiro do castelo pode preparar novas receitas com itens coletados que ampliam a saúde do personagem

O combate é um dos mais prazerosos e desafiantes que experimentei recentemente, ao meu ver o título ao que ele melhor se assemelha é Hollow Knight, porém mais leve, é aquele famoso fácil de aprender e difícil de dominar, de começo você vai morrer bastante, bastante mesmo, mas aos poucos vai entender os padrões de certos inimigos e com isso vai se sair melhor contra eles, é possível entender que quase nunca o ataque é a melhor forma de abordagem, em resumo os inimigos demonstram alguns tipos de ataques que são indicados lá no tutorial, por exemplo, quando sai uma “fagulha” vermelha você deve esquivar, quando essa indicação for amarela, usar o escudo para aparar e contra-atacar e por fim, quando ela for branca, apenas use o escudo e se defenda. Tails of Iron se encaixaria no modelo de um soulslite pelo motivo que ele assim como o famoso título da From Software exige do jogador um pouco de paciência e autocontrole na batalha, mas é bem mais brando no quesito punição pela possível morte.

Tails of Iron
O estilo de salvamento é idêntico ao de Hollow Knight, mas existem mais bancos espelhados pelo mapa do que no outro jogo cidado.

O jogo funciona como um verdadeiro adventure com uma pegada de RPG, mas aqui ao invés de níveis que são ganhos ao final de uma batalha, Redgi pode coletar itens consumíveis e/ou equipáveis, os consumíveis variam de dardos e flechas que são usados nos arcos e bestas, cascas de insetos que serve como moeda, lingotes de metal que também servem como moeda e podem ser trocados por cascas de insetos e vice-versa, Redgi ainda pode coletar suco de inseto, essa é a bebida que revigora a vida do nosso amigo ratinho, ela também é encontrada em barris espalhados pelo mapa.

Os equipáveis estão divididos em seis categorias, três de vestimenta e defesa e três de ataque, elas ainda estão divididas em outras três categorias, que separa cada item por seus atributos, por exemplo, Redgi pode equipar capacete, roupa de batalha e modelos variados de escudo, variando entre leve, médio e pesado, trazendo equilíbrio ao peso geral do personagem, as armas também seguem um conceito parecido, temos armas de ataque com uma mão, armas de duas mãos e de longo alcance, variando entre modelos de espadas, lanças, machados, arco e flexa, bestas e até mesmo revolver! O equilíbrio entre peso e agilidade deve ser levado em consideração, um personagem mais ágil pode oferecer menor defesa, mas ainda assim, pode esquivar mais facilmente de golpes dos chefes, outro ponto importante é o de escolher vestes de defesa que conferem uma proteção adicional aos grupos de inimigos do jogo, algumas são melhores contra sapos, outras contra besougros, mosquitos, toupeiras.

Tails of Iron
É possível criar novos itens com os esquemas corretos que darão ao Redgi mais proteção ou poder de ataque

Esses itens podem ser melhorados ou produzidos pelo ferreiro do castelo, conforme você adquiri esquemas de criação, que podem ser comprados ou coletados pelo mapa, falando nele, o jogo oferece cinco áreas principais, cada uma delas com uma boa área de exploração, missões secundárias e um tema bastante definido, por exemplo, na cidade temos além da vila principal a área das minas, o esgoto e o caminho para o campo dos patrulheiros, já abaixo do castelo chamado Forte Carmesim, estão além dos esgotos dele as catacumbas do passado chegando até mesmo a uma outra civilização desconhecida do reino dos Ratos.

Visualmente Tails of Iron é lindo, cada detalhe é bem feito, os planos de fundo dão um charme especial ao jogo, eles são bastante variados e combinam muito bem com os biomas, tanto a trilha sonora como a narração têm um destaque especial, o jogo é narrado por Doug Cockle, voz de Geralt na série The Witcher, além disso, o game está todo localizado em português do Brasil, trazendo um melhor entendimento de toda a história.

Por fim, o jogo tem alguns pontos um pouco irritantes, primeiro de tudo a diferença entre os inimigos e os chefes é algo extremamente absurdo, você pode estar com plena segurança em enfrentar os inimigos, mas os chefes? Esqueça, as chances de não ser eliminado de forma descomunal é grande, até ai tudo bem, o caso é que alguns podem apresentar padrões de ataques muito variável e com isso o reflexo rápido é seu único aliado, fora isso, ao meu ver qualquer outro ponto que possa ser irritante faz parte da mecânica do jogo e não é um problema ou defeito em si, sim houveram momentos que eu cansei do backtraking, em outros achei um porre a forma como o personagem recupera vida, mas nada disso é um erro ou problema.

Tails of Iron
Algumas vezes temos companheiros para ajudar nas batalhas

Em resumo, Tails of Iron se mostrou um jogo muito competente e divertido, você sente um senso de progressão e melhoria, tanto de Redgi como guerreiro como o seu como jogador, é verdade que a melhora no equipamento do personagem fará com que você jogue melhor e aproveite mais o game, mas é inegável que a sua prática como jogador também vai melhorar, e isso é algo muito gratificante como acontece num jogo, por todos esses bons motivos que foram citados ao longo desse texto eu posso afirmar que se você é quer um jogo desafiador, com uma boa história de vingança e conquista, que oferece um bom combate, difícil sim, mas sempre justo, Tails of Iron é uma ótima pedida.

Confira neste vídeo de gameplay o início de Tails of Iron:

Tails of Iron

9.2

Nota

9.2/10

Positivos

  • Combate divertido
  • O visual é bom
  • A trilha sonora também
  • A história tem um bom desenvolvimento

Negativos

  • Alguns chefes são brutais
  • O esquema de recuperar a vida consome tempo que pode ser crucial na batalha

Saulo Fernandes

Publicitário de formação, editor da Gamers & Games desde 2015. Gosto de jogos de exploração, aventura e corrida, comecei a jogar no Master System, mas o meu console queridinho até hoje é o GameCube.
Botão Voltar ao topo