AnálisesNintendoPlayStation

Panorama Cotton – O Cotton diferenciado do Mega Drive nos consoles atuais | Análise

Aqui o recurso de rewind também está presente, mas ele é bem menos eficiente que nos demais títulos

Analisado no Nintendo Switch


Panorama Cotton é um jogo de Mega Drive lançado originalmente em 1994 no Japão, ele foi o primeiro e único título da franquia a ser lançado no consoles 16 bits da Sega, e agora como parte da comemoração dos 30 anos da série Cotton o jogo recebeu um relançamento nas plataformas atuais PlayStation 4 e Nintendo Switch.

Assim como Cotton 100%, Panorama Cotton é uma sequência direta do primeiro jogo da série, mas diverge de forma explícita em sua jogabilidade e visuais. Panorama Cotton não é um jogo de rolagem lateral como o seus companheiros de série, e sim ele é um Rail Shooter, no estilo pseudo-3D, bem parecido com a proposta de muitos clássicos da Sega dessa era como Hang-On, After Burner e Space Harrier, sendo mais próximo a esse último em sua proposta e jogabilidade.

Panorama Cotton

Panorama Cotton se passa após os eventos no primeiro jogo da série (Cotton: Fantastic Night Dreams), quando a irmã de Silk conta que a Rainha Velvet começou a agir de maneira estranha e que acredita que que o mundo está novamente caindo no caos e só ela pode salvá-lo. Quando ela simplesmente desaparece Silk e sua irmã Knit chegam à conclusão que essa confusão da rainha está sendo causada pelo Salgueiro queimado no jardim do castelo, assim que Silk decide se livrar do problema ela acaba sendo interrompida por Cotton que tenta devorar o Salgueiro (são seus doces prediletos) e acaba se arrependendo de tal ato por conta do gosto horrível, com isso Silk conta toda a situação para Cotton, que rapidamente decide agir para impedir que outros sejam queimados! Bom, a história é essa mas infelizmente vai ser muito pouco provável que alguém consiga entender uma vez que o jogo não recebeu legendas em nem ao menos inglês até a data desta revisão.

Panorama Cotton

História a parte é na jogabilidade que o título mais diverge, aqui temos uma visão por trás de Cotton, que pode ser controlada pelos quatro cantos da tela, cima, baixo, esquerda e direta, direcionando a personagem para seguir o caminho, desviar de projeteis e inimigos e claro, coletar itens. No geral o game funciona de maneira bastaste semelhante aos demais da série, sendo basicamente o Cotton 100% visto de outra perspectiva. Itens como gemas podem ser coletados para aumentar o nível de Cotton, concedendo maior pontuação, itens mágicos são coletados e também sangue da personagem.

Mas se fundamente eles funcionam parecidos um detalhe faz com que Panorama Cotton seja um jogo muito mais desafiador que Cotton 100%, a sua perspectiva, tudo parece mais rápido e imediato, leve em consideração que o Mega Drive era por si só um console mais veloz que o Super Famicom (SNES), então isso pode ser parte também do porquê este jogo parece mais rápido e difícil, ou então simplesmente isso acontece pela forma como ele foi feito, uma vez que slowdowns são bastante comuns mesmo num jogo emulado.

Panorama Cotton

Falando no emulador ele funciona idêntico ao usado Gleylancer, outro jogo do Mega que foi relançado pela Inin Games, e isso é bom, basicamente aqui temos as mesmas opções presentes lá e em Cotton 100%. A opção Challenge ignora todas as possíveis opções e roda o jogo o mais perfeito possível como era no Mega Drive (incluindo os slowdowns). Já a opção Standard conta com Save e Load State, mas aqui os Cheats só podem ser ativados se o jogador terminar o game pelo modo Challenge uma vez. Opções de vídeo são parecidas com o Cotton 100%, sendo os aspectos 4:3 padrão das TVs de tubo, 16:9 o padrão Widescreen e o Pixel Perfect, na proporção original gerada pelo console (essa bem mais larga que a gerada pelo SNES). Ainda é possível incluir efeitos de CRT, e aí as opções são bastante ricas, tipos e intensidade de máscara (isso é um pouco complexo, mas basicamente indica se ela vai simular uma tela de Shadow-mask, Trinitron ou Diamondtron, algo do tipo). Ainda é possível escolher a intensidade das scan-lines, a curvatura da tela, nitidez, gamma… vale a pena testar e ver se alguma te faz lembrar daquela TV jurássica Philco-Hitachi que existia na casa da sua avó. Os controles também podem ser remapeados, mas não vejo muita necessidade.

Aqui o recurso de rewind também está presente, mas ele é bem menos eficiente que nos demais títulos, não porque ele funcione de forma diferenciada, mas sim porque o jogo é mais difícil mesmo, com isso é bem possível que mesmo voltando no tempo você vai receber o dano de novo um milímetro para o lado!

Panorama Cotton

Com tudo isso em mente eu posso dizer que Panorama Cotton é a irmã “diferentona” da série, apesar de numa comemoração todos serem importantes, eu diria que esse tem um peso mais forte nos 30 anos da série. Inclua nisso a trilha sonora que ficou muito boa ajustada ao chip do Mega Drive, a dificuldade maior, o visual mais interessante e você tem em Panorama Cotton um jogo mais intenso se comparado ao Cotton 100% no Super Famicom, sendo assim, se tiver que escolher entre um e outro escolha por esse, mas se você prefere algo mais simples e fácil melhor escolher o outro.

Confira neste vídeo de Gameplay um trecho de Panorama Cotton:

Panorama Cotton

7.5

Nota

7.5/10

Positivos

  • É bastante diferenciado
  • Desafiador
  • A trilha no Mega Drive ficou boa
  • O visual

Negativos

  • É bem dificil
  • Você precisa terminar o Challenge para ter acesso a tudo no Emulador

Saulo Fernandes

Publicitário de formação, editor da Gamers & Games desde 2015. Gosto de jogos de exploração, aventura e corrida, comecei a jogar no Master System, mas o meu console queridinho até hoje é o GameCube.
Botão Voltar ao topo