fbpx
AnálisesNintendoPCPlayStationXbox

Shing! – O destruidor de analógicos | Análise

A história é simples, temos um grupo de 4 heróis que precisam recuperar a “Starseed”, a fonte de toda essência.

Analisado no PC


Shing! é um Beat ‘em up desenvolvido pela Mass Creation e distribuído pela WhisperGames, NA Publishing Inc., foi lançado em 28/08/2020 e esta disponível para PC, PS4, Switch e Xbox.

Beat ‘em ups não são novidades e estão presentes a décadas em várias plataformas, existem diversos jogos que se enquadram nesse gênero e apesar de possuírem histórias diferente, todos possuem algo semelhante, o combate.

Shing!

O combate dos beat’em ups no geral é simples e se resume a esmagar botões. Shing!, tenta mudar essa fórmula, consertando o que não está quebrado, aqui você ira “esmagar” e destruir seu analógico.

A história é simples, temos um grupo de 4 heróis (3 ninjas e 1 guerreiro), que precisam recuperar a “Starseed” (a fonte de toda essência, que é a força vital do planeta) que foi roubada por Yokais.

Shing!

Iniciamos com uma pequena introdução feita com arte que lembra bastante um anime. O início é interessante, mas passada a introdução, você dá de cara com modelos em 3D, sim, tudo é feito em 3D, os cenários e o fundo possuem alguns detalhes, porém os modelos dos personagens são bastantes simples. É uma pena que o jogo não tenha sido feito levando em conta a arte da introdução, pois ela é interessante e os modelos em 3D são um tanto apagados e sem vida.

O jogo possui vários elementos e mecânicas que fogem um pouco do tradicional e tentam criar uma experiência única. Durante os combates você irá encontrar diversos tipos de inimigos, temos dos mais simples, outros com escudos e habilidades, para elimina-los você precisa acertá-los em pontos específicos, rebater bolas de energia e até mesmo jogar granadas. Existem pequenos puzzles no cenário que se estendem até batalhas de Chefe, os puzzles e mecânicas são simples, mas adicionam algo a mais, fazendo com que você não tenha que somente esquivar e esmagar botões.

Shing!

Infelizmente todos os elementos e mecânicas são destruídos pelos controles do jogo. Joguei a versão de PC utilizando um controle de Xbox 360 e também teclado e mouse e olha em ambos eu tive problemas e inconsistências.

Começando pelo controle de 360, o jogo te força a usar o analógico direito para realizar todos os ataques e não existe qualquer customização ou botão de ataque. Cima, meio, baixo e diagonais, o personagem ataca de acordo com o ângulo em que você direcionar e soltar o analógico. No controle os ataques são mais precisos e é mais fácil fazer combos, mas não é preciso jogar, para perceber o quanto esse sistema é cansativo, desconfortável, além de o quanto o analógico é forçado desnecessariamente.

Shing!

No teclado e mouse os controles melhoram um pouco, você precisa usar o mouse para girar um pequeno círculo que representa a direção em que o personagem irá atacar. Apesar de mais prático e menos cansativo, eu encontrei mais inconsistências principalmente quando precisava mudar rapidamente o lado de ataque ou fazer combos aéreos.

Shing! possui elementos e mecânicas interessantes, porem tenta consertar o que não está quebrado e acaba destruindo toda a experiência. O jogo possui modo co-op para até 4 jogadores local ou online e na Steam temos acesso ao Remote Play. Infelizmente por causa dos péssimos controles, eu prefiro não recomendar este título, principalmente se você for jogar em um console. Caso você esteja interessado, eu recomendo que opte pela versão de PC pois ela possui uma DEMO e a opção para se jogar com teclado e mouse, porque vou te falar, se o analógico do controle oficial sofre, não quero nem imaginar o que irá acontecer com os analógicos dos controles não licenciados.

Confira o vídeo com o gameplay de Shing!:

Shing!

6

Nota

6.0/10

Positivos

  • Mecânicas diferentes
  • Introdução
  • Som

Negativos

  • Controles
  • História
  • Personagens sem vida

Jeferson Vasconcelos

PC Gamer desde os anos 90, entusiasta de VR que não consegue ficar sem jogar os velhos consoles. Aguardando há anos pelo próximo Lineage

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo