AnálisesNintendoPCPlayStationXbox

Assassin’s Creed Liberation HD Remaster – Melhorou em tudo | Análise

Analisado no PlayStation 4

 

O game começa com a Aveline ainda criança, se perdendo de sua mãe biológica. Controlá-la ainda pequena é uma sensação bacana, isso te coloca diretamente no universo da protagonista. O game é tão sensível e intimista, que te deixa aflito e com sede de descobrir o motivo do sumiço de sua mãe. Aveline foi criada por um casal muito rico e influente, o que ajuda bastante em suas escapadas a noite pra combater o crime. Digamos que violência e assassinatos em cadeia, nunca foram tão atraentes. Com belas curvas, e um rosto afro-descendente delicado e jovem, Aveline dispõe de habilidades dignas de Ezio, Altair, Connor e Edward, dos jogos anteriores. Em nada deixa à desejar aos seus companheiros de Irmandade.

 

 

Os gráficos do game são deslumbrantes e neste remaster, estão ainda melhores, do que na época de seu lançamento no PSVita, seus comandos e diretrizes eram muito parecidas com as que foram apresentadas em Uncharted: Golden Abbys, por conta de toda a interação com o touch e sensores de movimentos. Os detalhes são milimetricamente caprichados, e a interação com todo aquele mapa aberto, é surpreendente, se pararmos pra pensar que se trata de um jogo para um portátil, mas infelizmente, numa plataforma maior e mais potente, o jogo fica menos interessante, pois por mais que seu mapa fosse grande no portátil, na versão HD temos a leve sensação de que é tudo muito limitado. Os controles são básicos e ágeis, tudo muito funcional, fazendo com que uma corrida, escalada ou simplesmente uma batalha, fique simples e ao mesmo tempo emocionante, sem tirar aquela dificuldade que tanto gostamos em meio aos combates, e isso para nossa felicidade, não se perdeu no PS4. Chega a ser divino assistir os movimentos de Aveline estripando seus adversários. Ela faz isso com tanta naturalidade e leveza, que te dá vontade de ficar parando em todos os postos de guardas, só pra matar eles, assim, à toa: “Olá, posso te abrir do esfíncter ao esôfago?”

 

 

As locações do game são lindas, você passa boa parte do tempo em New Orleans, onde Aveline faz algumas amizades e descobertas incríveis. Você viaja pro México atrás de um artefato e acaba descobrindo mais do que imaginou, e até pra New York você vai, encontrar Connor, para que ele te auxilie em uma missão, coisa linda! – Gente, eu nem sei como definir as emoções que esse jogo despertou em mim, com sua história, sabe, foi algo mágico, porque tem tanta reviravolta, é um plot twist atrás do outro.

 

Toda a melhoria neste título é válida pra quem jogou e amou o game, ou pra quem quer conhecer a história da primeira protagonista da série. A iluminação e a textura dos cenários estão visivelmente mais detalhadas, mais robustas. O que torna a interação com as três personalidades de Aveline, ainda mais gratificante. Por falar das personalidades: Todas são úteis, mas a de assassina é surreal, ela é hábil, ágil e super estilosa, enquanto a de dama é mais frágil, não pula e nem chuta em combate, seu grande clímax fica nos momentos em que você precisa seduzir os bandidos e os leva pra um lugar “sossegado”, pra matá-los silenciosamente. E como dama, Aveline faz uso de uma sombrinha super delicada, que nada mais é do que uma arma muito eficiente, que permite matar inimigos à longa distância. A escrava não possui muito charme, embora seja mais próxima da assassina no quesito habilidade. Porém ela possui algumas restrições de arma, o que torna sua função um pouco monótona. Mas é com essa personalidade, você descobre coisas importantíssimas e vitais para o game, ou seja, de maneira alguma ela é menos importante.

 

 

O uso dos recursos do Vita foram incríveis pra essa experiência, permitindo o uso do touch dianteiro e o traseiro, assim como a câmera e tudo mais, nos garantindo uma interação com inimigos e cenário com muita fluidez, o que infelizmente não acontece no PS4, pois como o jogo não desenvolveu melhorias em seu sistema, para se adequar melhor a uma plataforma mais potente, acaba sofrendo uma brusca queda em sua qualidade interativa. Mas nada apaga o brilho de Aveline, ela simplesmente conquista o coração dos players com sua ambição e claro, com sua impulsividade, pois de todos os personagens da franquia, ela é a mais humana. Comete erros grandes e comprometedores, fazendo-nos questionar sua maturidade e eficiência como assassina, porém com todo o seu jogo de cintura e sede de justiça, ela acaba fazendo a coisa certa.

 

Assassin’s Creed Liberation HD Remaster é sem sombra de dúvida um dos melhores jogos da série!

Assassin's Creed Liberation HD Remaster

8.5

Nota

8.5/10

Positivos

  • Protagonista profunda
  • Gráficos visivelmente melhorados

Negativos

  • Limitação do espaço gráfico
  • Não é vendido separadamente de AC3 - Remastered

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar